domingo, abril 19, 2009

Ia pra longe, lá pra Minas - que saudade - mas de repente uma voz que há tempos não reclamava nem falava alto, me chamou, e convidou para viajar pra outro lugar, bem lá dentro de mim. E a grande viagem deste feriado tornou-se o encontro comigo mesma.
Acordar no meu tempo, olhar para o céu azul de outono com um sol brilhando, e os passarinhos em algazarra na árvore do fundo do quintal, tocar meu velho piano, regar as plantas, tomar um longo banho, reconhecer meus sentimentos e não negá-los, nem brigar com eles, observar o caminho das emoções no meu corpo, deixar que passem, ler, escrever, acolher meu Eu, perdoar-me, perdoar o que já foi, cuidar-me, arrumar-me linda, colocar aquela calcinha que era pra ele, e ele nem olhou (ai ai ai, aí tem uma ponta de mágoa... reconhecendo, deixando ir...), meu brinco de pena novo, água de cheiro, sair e ver o que há lá fora, comigo mesma por companhia.
Sabe de uma coisa? Eu gosto dessa mulher. Gosto mesmo!

PS: As sincronicidades... me deparei com esta matéria no Personare, agora mesmo:
http://www.personare.com.br/revista/materia/141/va-em-frente-sem-olhar-para-tras

3 comentários: