sexta-feira, outubro 22, 2010

Gibrando aos 46

Caminho para sempre nestas praias
Entre a areia e a espuma.
Gibran Khalil Gibran - "Arei a e Espuma"
A maré alta apagará minhas pegadas.
E o vento dissipará a espuma.
Mas o mar e a praia permanecerão
Para sempre.
____________________________

Uma vez, enchi minha mão de neblina.
Depois, abri-a; eis que a neblina era um verme.
Fechei e abri novamente minha mão, e lá estava um pássaro.
E novamente fechei e abri minha mão, e em seu côncavo, erguia-se um homem de face triste, virada para cima.
Fechei minha mão mais uma vez e quando a abri, não havia nada senão neblina.
Mas ouvi uma canção de inexcedível doçura.
________________________________

Coisa estranha, o desejo de certos prazeres é uma parte de minha dor.
________________________________

Um senso de humor é um senso de proporção.


Gibran Khalil Gibran, in "Areia e Espuma"


Há tanto tempo não lia Gibran! Reencontrá-lo neste momento de reflexão em que me olho quase aos 46 parece tão providencial. É tão iluminador que me dá vontade de blogar o livro todo, que é desejo de devorar no contentamento de reconhecer-me, mas também de degustar lentamente na simplicidade profunda dos insights, lampejos internos.
Também reencontrei Hermann Hesse e sua "Arte dos Ociosos", trazendo a vitalidade do corpo, as indagações do espírito, e celebrando a indissociabilidade desses aspectos do humano. E agora me assopra a memória Walt Whitman, com quem vou me reencontrar daqui a pouco dizendo que a alma é o corpo e o corpo é a alma, sem tirar nem por.
E penso nessa minha trajetória bailarina... e no desapego que necessito para dançar em novos horizontes que inevitavelmente vem surgindo.
Não necessariamente às reviravoltas, mas certamente a grande lei sempre se cumpre: MUDANÇA. 
E continuo me atrapalhando com alguns passos...


Anabel

Um comentário:

  1. http://planetaconciencia.blogspot.com/2010/10/la-materia-no-existe.html

    ResponderExcluir