domingo, outubro 18, 2009

Cinzas da obra de Oiticica

Não sei descrever a dor desta perda, luto, num ano de tantas mortes de referências fundamentais da arte contemporânea. Mas esta é uma perda do acervo da cultura universal, que deveria permanecer quando o autor já se foi, a obra, para as gerações futuras, e presentes compartilharem.

Como? Como assim? Pegou fogo?!?!? Na casa do irmão? Como assim??? A conservação era cara para a Secretaria de Cultura? O irmão conservava assim tão bem, sem nem sequer ter seguro delas? Meu deus, como assim??????? Salvar o máximo que der é o mínimo que se pode fazer, mas, como todos - família e secretaria - puderam deixar as coisas chegarem a esse limite, como permitiram ao acervo de Oiticica correr qualquer risco de desaparecer do planeta? Não entendo. A morte é inevitável para os humanos, mas permitir a morte prematura das obras, é miséria total. Dedos e anéis idos.

Matéria do Estadão sobre a tragédia: http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20091018/not_imp452413,0.php
Matéria da Bravo: http://bravonline.abril.com.br/conteudo/artesplasticas/hora-vez-helio-oiticica-467195.shtml
E do Guia de Assis: http://www.guiaassis.com.br/colunas/colunista.asp?id=7&materia=1393

Anabel

2 comentários: