Bota pra tocar

domingo, outubro 18, 2009

Cinzas da obra de Oiticica

Não sei descrever a dor desta perda, luto, num ano de tantas mortes de referências fundamentais da arte contemporânea. Mas esta é uma perda do acervo da cultura universal, que deveria permanecer quando o autor já se foi, a obra, para as gerações futuras, e presentes compartilharem.

Como? Como assim? Pegou fogo?!?!? Na casa do irmão? Como assim??? A conservação era cara para a Secretaria de Cultura? O irmão conservava assim tão bem, sem nem sequer ter seguro delas? Meu deus, como assim??????? Salvar o máximo que der é o mínimo que se pode fazer, mas, como todos - família e secretaria - puderam deixar as coisas chegarem a esse limite, como permitiram ao acervo de Oiticica correr qualquer risco de desaparecer do planeta? Não entendo. A morte é inevitável para os humanos, mas permitir a morte prematura das obras, é miséria total. Dedos e anéis idos.

Matéria do Estadão sobre a tragédia: http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20091018/not_imp452413,0.php
Matéria da Bravo: http://bravonline.abril.com.br/conteudo/artesplasticas/hora-vez-helio-oiticica-467195.shtml
E do Guia de Assis: http://www.guiaassis.com.br/colunas/colunista.asp?id=7&materia=1393

Anabel

sábado, outubro 17, 2009

Adoro escrever para voce

Adoro ler suas cartas, seus mails sensíveis, construindo nossa intimidade dia a dia, criando um espaço onde reconhecemos nossos territórios, mas permitimos uma intersecção, sem medo de estar perdendo a identidade, permitindo-nos compartilhar os mais profundos desejos e medos, e desfazendo-nos deles. Adoro embarcar nas suas viagens filosóficas, musicais e emocionais. Adoro quando voce me ouve com todo seu ser, e me olha com admiração, e olha minhas escuridões com compreensão, e rimos juntos das nossas pequenezes. Adoro estar simplesmente ao seu lado, sem ter que provar que mereço, nem ter que justificar estar ocupando seu tempo. Adoro te receber. Adoro quando voce pede desculpas depois de uma dissonância, sem constrangimento, nem orgulho ferido. Adoro me desculpar, sabendo que é um ritual importante, mesmo sentindo que no fundo voce já liberou o deslize, até de minhas explosões mais dramalhonas. Adoro quando nos olhamos longamente. Adoro meu nome na sua voz. Adoro dizer seu nome degustando cada som que o compõe. Adoro não ter medo, com voce, de me machucar, nem de ser enganada. Adoro me entregar e sentir que estamos na mesma sintonia. Adoro quando voce reluta em desvencilhar-se do meu corpo de manhã, como se fosse dolorido. Adoro saber das tuas aventuras, e me sentir teu porto seguro. Adoro saber que nossas diferenças nos acrescentam, e não dividem. Adoro nossos infinitos enquanto duram. Adoro esperar, me preparar pra tua chegada, como a raposa do Pequeno Príncipe. Adoro quando voce me diz da saudade que sente de mim, e da ansiedade da espera. Adoro nossos planos malucos. Adoro voce olhando e me vendo em mim. Adoro a reciprocidade da nossa ligação. Adoro nosso laço, nossa teia, nossa rede. Adoro chuva, sol, dias nublados. Adoro escrever para voce. Adoro, adoro, adoro.

Anabel

quinta-feira, outubro 15, 2009

Pessoa Errada

Pensando bem
Em tudo o que a gente vê e vivencia
E ouve e pensa
Não existe uma pessoa certa para nós
Existe uma pessoa
Que se você for parar para pensar
É, na verdade, a pessoa errada.
Porque a pessoa certa
Faz tudo certinho
Chega na hora certa,
Fala as coisas certas,
Faz as coisas certas,
Mas nem sempre a gente tá precisando das coisas certas.
Aí é a hora de procurar a pessoa errada.
A pessoa errada te faz perder a cabeça
Fazer loucuras
Perder a hora
Morrer de amor
A pessoa errada vai ficar um dia sem te procurar
Que é para na hora que vocês se encontrarem
A entrega ser muito mais verdadeira.
A pessoa errada é, na verdade, aquilo que a gente chama de
pessoa certa
Essa pessoa vai te fazer chorar
Mas uma hora depois vai estar enxugando suas lágrimas
Essa pessoa vai tirar seu sono
Mas vai te dar em troca uma noite de amor inesquecível
Essa pessoa talvez te magoe
E depois te enche de mimos pedindo seu perdão
Essa pessoa pode não estar 100% do tempo ao seu lado
Mas vai estar 100% da vida dela esperando você
Vai estar o tempo todo pensando em você.
A pessoa errada tem que aparecer para todo mundo
Porque a vida não é certa
Nada aqui é certo
O que é certo mesmo é que temos que viver
Cada momento
Cada segundo
Amando, sorrindo, chorando, emocionando, pensando, agindo,
querendo,conseguindo
E só assim
É possível chegar àquele momento do dia
Em que a gente diz: "Graças à Deus deu tudo certo"
Quando na verdade
Tudo o que ele quer
É que a gente encontre a pessoa errada
Para que as coisas comecem a realmente funcionar direito para
nós...

Luis Fernando Veríssimo

_________________________________


Mas é preciso saber "jogar frescobol". Dando cortada e jogando com truque, não tem pessoa errada que dê certo.rsrsrs

quarta-feira, outubro 14, 2009

O seu amor

Doces Bárbaros

O seu amor
Ame-o e deixe-o
Livre para amar
Livre para amar
Livre para amar
O seu amor
Ame-o e deixe-o
Ir aonde quiser
Ir aonde quiser
Ir aonde quiser
O seu amor
Ame-o e deixe-o brincar
Ame-o e deixe-o correr
Ame-o e deixe-o cansar
Ame-o e deixe-o dormir em paz
O seu amor
Ame-o e deixe-o
Ser o que ele é
Ser o que ele é
Ser o que ele é.

___________________________________

Andei tanto naquela tarde, talvez tentando fugir de mim, desafogar meu peito que doia, transmutar a raiva e a tristeza.
Entrei numa livraria que tinha muitos volumes espalhados em banheiras de promoção, e comecei a lê-los, escolhia um título e via o que dizia pra mim, naquele momento. Eles me falaram do prazer da solidão, das cartas do tarô, de deixar as coisas acontecerem conforme as leis do universo, de desapegar, de fazer diferente. Fiquei quase duas horas lendo trechos aleatórios... saí de lá bem mais leve. E me veio essa canção. E nada mais importava. Não queria mais lutar pelo meu desejo. Lutar, na verdade o torna mais forte, e cada vez que ele é constrangido, dói e aflora dores passadas, a frustração de não vivê-lo plenamente mais uma vez ressoa. Lembro de tanta coisa bonita também, mas o passado não é um lugar para morar, nem ser feliz.
Lembrei da palestra sobre o desejo em Spinoza. Não quero ser algoz do desejo de ninguém, nem do meu próprio. Melhor seguir um caminho diferente, por que repetir os mesmos dilemas, as mesmas cenas, as mesmas farsas?. Melhor seguir meu caminho.Deixar meu amor ir aonde quiser, livre para amar, ser o que ele é.


Anabel

sexta-feira, outubro 09, 2009

às vezes não acontece nada como a gente queria, como a gente sente que deveria ser, ou desejava que pudesse ser, ou planejava... mas é justamente nesses momentos de total falta de controle sobre o que acontece que, ao nos rendermos ao desconhecido, nos deparamos com as pequenas epifanias que a vida nos reserva. Como definiu Caio Fernando Abreu, "Miudinhas, quase pífias revelações de Deus feito jóias encravadas no dia-a-dia."


Anabel

_________________________________________________


"Um dia uma folha me bateu nos cílios - achei Deus de uma grande delicadeza." Clarice Lispector

domingo, outubro 04, 2009

Gracias



Querida, querida, querida Mercedes.
Tu voz, tu canto, tu pulso para siempre en mi alma.
La voz de la Tierra se calla por tu partida.
Pero la tuya aún hara eco por todos los tiempos en este planeta.
Todas las voces. Todas.
Ahora eres canción en el viento.
Gracias. A la vida. A ti. Nos has dado tanto...

Anabel

Avião

Djavan

Pode quebrar
Sofrer, cair, descer
Contorcer de dor
Não vou mais
Me prender a você
Fazer o mesmo show
Vou bater
Na porta da vida
Receber e pagar
Sem ter que me entregar
A ninguém
Seu muito pra mim
É pouco
Eu quero a paz
De viver solto
Vai dizer que sou outro
Sou não
Eu me cansei
De ser seu avião
Não vou voar não
Dessa vez...
Nem me conformar com pouco
Seu mundo pra mim é tolo


_____________________________________________


Nunca tinha sentido essa música com tanta alegria antes!


Anabel

sábado, outubro 03, 2009

A criação nasce do encontro

Hoje realizamos o Encontro Regional da Equipe Sul 5 de Dança Vocacional, "A criação nasce do encontro", reunindo as turmas dos CEUs 3 Lagos, Navegantes e Parelheiros.
Contratempos à parte, foi um marco para todos nós, no que se refere ao compartilhar de saberes e linguagens, e à ampliação do olhar para as muitas danças que refletem a diversidade cultural da cidade de São Paulo, seus contextos, e as singularidades que um mesmo estilo de movimento pode acolher.

É muito gratificante participar dessa teia, dessa rede em permanente trama, que nos desperta a percepção de que somos produtores de cultura, que as diferenças funcionam como multiplicadores dos potenciais de cada pessoa, cada turma ou grupo, e que isso reverbera no coletivo, nos dando um sentido muito vivo de comunidade.
Os eixos do projeto Vocacional - transparência, parceria e sustentabilidade - ganham a dimensão de acontecimento, deixando de representar apenas ideais a serem alcançados, mas conceitos presentes no fazer diário, a própria ética desse fazer, na apropriação do espaço público com consciência e afeição.
Na roda de apreciação do processo emergiram referências e expressões como: integração, aprendizado em mão dupla, compromisso, renovação, apropriação, autonomia, função social, felicidade, igualdade, e amor. Amor! (e não fui eu quem disse!) "Muda tudo quando você coloca amor na dança", foi o que um rapaz da tribo hip-hop, o Panda, nos lembrou. Amor como presença cênica. Ou apenas como presença.
Um presente para todos os presentes.
Agradeço em especial à equipe deliciosa que coordeno, com as qualidades únicas de cada Artista Orientador que a compõe, alavancando, fomentando, semeando, aprendendo, ensinando, refletindo, trazendo idéias, buscando caminhos, abraçando e cultivando as danças que encontram, detectam, afloram, e lapidam em parceria com os Artistas Vocacionados de cada CEU, aos quais também agradeço sincera e profundamente.
Muito grata Adriana Gerizani, Josely Medeiros, Pedro Costa, Thais Ponzoni.
Um projeto público não é nada sem a honestidade, a sinceridade, o empenho e a alegria. Voces fazem a ponte. Voces são Ponte. E jorram fontes.

Grata, abraço.
Abraço.
Abraço.

Anabel

Green Grass

Tom Waits


Lay your head where my heart used to be
Hold the earth above me
Lay down in the green grass
Remember when you loved me

Come closer don't be shy
Stand beneath a rainy sky
The moon is over the rise
Think of me as a train goes by

Clear the thistles and brambles
Whistle 'Didn't He Ramble'
Now there's a bubble of me
And it's floating in thee

Stand in the shade of me
Things are now made of me
The weather vane will say...
It smells like rain today

God took the stars and he tossed 'em
Can't tell the birds from the blossoms
You'll never be free of me
He'll make a tree from me

Don't say good bye to me
Describe the sky to me
And if the sky falls, mark my words
We'll catch mocking birds

Lay your head where my heart used to be
Hold the earth above me
Lay down in the green grass
Remember when you loved me

http://www.youtube.com/watch?v=acv_a6O8doo
___________________________________________________

Claudia trouxe essa música para o ensaio na voz de Cibelle. Achei tão linda, melodiosa, melancólica... e agora descubro que Tom Waits é o autor. É muita ressonância... Meu corpo dói quando penso que podemos morrer e desperdiçar o amor que não tivemos tempo, ou não soubemos viver.
Anabel

sexta-feira, outubro 02, 2009

Uma perspectiva libertária e amorosa do professor, dada pelo sempre extasiante Edson Marques:
http://www.edmalux.blogspot.com/2005_09_21_archive.html

Leia e aproveite para passear por ele todo!
Bjo,
Anabel
Eu não preciso contar, mas quero dizer que me senti acolhida e escolhida. E isso é mais relevante do que quantidades. E é um presente pra mim agora.

Anabel

quinta-feira, outubro 01, 2009

Agora sinto que não há mais porque temer a queda. Ela é essencial para reconhecer o chão em que piso. Às vezes esqueço que sem ele não há caminho. Não que não doa...

Anabel