Bota pra tocar

domingo, junho 07, 2009

Quadrilha




João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou pra tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história.

Carlos Drummond de Andrade

________________________________

O olho perspicaz na palavra atenta de Drummond nos desperta para a imprevisibilidade dos caminhos da vida, para os quais, às vezes, pensamos ter pontos de referência mais ou menos certos. Não há outro jeito, como cantou Angela Rô Rô, "a vida é bela, só nos resta viver", e ao amor, essa fogueira, ofertar a outra face.
E viva São João, São Pedro e Santo Antônio!!!!

sexta-feira, junho 05, 2009

No descomeço era o verbo.
Só depois é que veio o delírio do verbo.
O delírio do verbo estava no começo, lá onde a

criança diz: Eu escuto a cor dos passarinhos.

A criança não sabe que o verbo escutar não funciona

para cor, mas para som.

Então se a criança muda a função de um verbo, ele delira.
E pois.
Em poesia que é voz de poeta, que é a voz de fazer nacimentos -
O verbo tem que pegar delírio.




Poema VII do Livro das Ignorãças, de Manoel de Barros