terça-feira, março 25, 2008


Sertaneja na voz do pássaro na garganta da Tetê.
Ah, saudade do Rio Paraguai que eu nunca conheci!
Como era já tão moderno aquele som e agora as ressonâncias daquilo tudo ainda soam tão novas.
Vida caipira.

Um comentário: