Bota pra tocar

terça-feira, março 27, 2007

Nota de esclarecimento

Não, eu não vou te culpar, nem poupar. Não quero saber se amanhã voce virá com beijos quentes, ou críticas ácidas. Eu quero enfrentar meu medo, e não fingir que ele não existe. Tomar minhas decisões, cometer meus erros, abraçar meus desejos, arriscar meus passos num caminho único, que me devolve ao meu próprio amor. Voce pode interferir, opinar, sugerir, criticar, mas não desvalorizar por comparação com outros universos que lhe são familiares e muito mais confortáveis... muito menos me dar bronca por não ser como voce queria que eu fosse. Seja meu convidado. Fique realmente à vontade! Mas não pense que tudo aqui é seu. O limite é o respeito, mesmo que à noite saiamos selvagens nos devorando.

Anabel

Fotografia: Paul Stack

terça-feira, março 06, 2007

Pureza




Há uma linha tênue que diferencia a vaidade que me valoriza daquela que me faz esperar rapapés de todos os plebeus ao redor, e nem sempre a percebo a tempo.


Por um triz posso transformar a generosidade num empréstimo com expectativas de retribuição bem definidas e avaras.


Encontrar alguém que parece tão bom quanto eu, faz arder, com admiração ou raiva, uma ponta de inveja.


Tem dia em que viro saco sem fundo, tentando tapar um buraco na alma com montes de chocolates, biscoitos, comidas, bebidas, cigarros, e etcéteras de toda sorte.


Depois vem a preguiça, a vontade de que tudo aconteça num passe de mágica, que é também a "vontade de sumir de vez".


E então a raiva explode pelas mais tolas mazelas, conseqüência de conflitos mal resolvidos dentro de mim, às vezes impaciência, indignação... por vezes a ira é muito justa.


E por essas e outras preciso sentir-me dissolver no prazer do sexo sem previsões, nem expectativas, nem medida...


Para acordar purificada na manhã seguinte.